Sobre acessibilidade

Áreas

Abas primárias

06/12/2016 - 10:15

Ceasa participa de evento nacional de abastecimento em Brasília.

Foi realizado nos dias (22 e 23), terça e quarta - feira, no auditório da Companhia Nacional de Abastecimento, em Brasília, o Seminário Mercado de Frutas e Hortaliças: Reflexos sobre o Consumo no Brasil. O encontro é promovido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Representando o Governo do Estado, a Centrais de Abastecimento do Pará (Ceasa), esteve no evento, Organização das Nações Unidas da Agricultura e Alimentação (FAO) e Associação Brasileira das Centrais de Abastecimento (Abracen), discutindo temas do setor hortifrutícola, avaliando os impactos de oferta, qualidade e preço para produtores e consumidores brasileiros.

Este setor da economia brasileira foi o que mais se destacou nos últimos anos, tanto para produção de frutas in natura, como na industrialização. Dados do Ministério da Agricultura mostram que, em 2015, o Brasil exportou cerca de 854 mil toneladas de frutas – quantidade 11% superior à do ano anterior.

Durante a abertura do evento, o diretor de Operações e Abastecimento da Conab, Igor dos Santos, apresentou o 11º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Ceasa de todo Brasil, em 2016, com análise de mercado das principais frutas e hortaliças comercializadas nas Centrais de Abastecimento de oito estados brasileiros no mês de outubro.

O estudo avaliou o mercado atacadista e trouxe dados sobre preço, volume, origem e outras informações dos principais entreposto de Brasília (DF), São Paulo (SP), Campinas (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Vitória (ES), Curitiba (PR), Recife (PE) e Fortaleza (CE).

O destaque durante o boletim, foi para o alface, tomate e cebola e cenoura registrando queda no mês de outubro nas principais centrais de abastecimento do país. Os valores da cenoura variaram entre R$ 0,70/quilo na Ceasa Campinas (SP) e R$ 1,50/quilo em Recife (PE). Em Brasília, mesmo com alta de 7,64% a hortaliça foi vendida a R$ 0,81/quilo.

O mesmo aconteceu com a cebola em Curitiba que, apesar do aumento de 9,58%, continua com um dos menores preços entre os estados analisados: R$ 1,07 o quilo. O levantamento é feito mensalmente pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Conab, a partir de informações fornecidas por grandes mercados atacadistas no país.

Analisando o cenário de Belém, a cebola apresentou uma queda no preço de 2,74% no mesmo de outubro, em relação ao mês anterior, sendo comercializado a preço médio de R$ 1,15 o quilo. O tomate longa vida também apresentou queda de 4,55% no mês de outubro em relação ao mês anterior, sendo comercializado a um preço médio de R$: 2,59 o quilo. Porém, a Alface Americana, de procedência do Ceará, apresentou alta de 7,61% no mês de outubro em relação ao mês anterior, sendo comercializado por R$: 2,89 o quilo. Já a Alface Crespa, apresentou queda de 5,25% no mês de outubro, comparado ao mês anterior, comercializado por r$: 2,89 o quilo. As informações foram levantadas pela Equipe Técnica da Centrais de Abastecimento do Pará.

Além das informações oficiais envolvendo preço, o evento trouxe temas importantes contendo pautas de segurança alimentar, mercado de frutas e hortaliças, uma delas mediada pela presidente da Centrais de Abastecimento do Pará, Bianca Piedade, com o tema 'Comercialização de frutas e hortaliças: embalagem, rotulagem e fiscalização. '

''Tive a oportunidade de ser mediadora de um assunto muito relevante e corrente nas Centrais que é embalagem, rotulagem e fiscalização de frutas e hortaliças ministrado com excelência por técnicos da Embrapa e Anvisa que puderam apresentar o avanço tecnológico e normativo para a produção, distribuição, comercialização e consumo de frutas e hortaliças , no intuito de alcançar níveis maiores de qualidade e contribuir com a redução de perdas e desperdícios no decurso da cadeia produtiva. Meu sentimento, pós evento , é de otimismo de que o sistema de abastecimento nacional constituído há mais de 40 anos será adequado a nossa realidade e fortalecerá mais ainda a importância das Ceasas como um dos principais canais de escoamento de produtos hortigranjeiros.''’ destaca Bianca Piedade, presidente da Ceasa.

Para o Diretor Técnico da Ceasa, Rosivaldo Batista, as palestras do evento só acrescentam ainda mais no cenário de comercialização de hortigranjeiros do Estado. ''São palestras que abordam como está a produção de frutas e hortaliças no Brasil com reflexos no consumo com destaque para as questões de segurança alimentar avaliando também as questões ligadas a embalagens, rotulagem e fiscalização. Um outro tema importante a utilização das informações estatísticas do mercado de frutas e hortaliças com impactos nos níveis de preços praticados nos estados inclusive no Estado do Pará.''